Tudo começa com aparência física e o nome – Parte I

O trabalho de construção da imagem começa por aqueles aspectos da pessoa do candidato que não admitem modificação como a aparência física e o nome.

Defeitos físicos, traços demasiadamente pronunciados (um nariz de Cyrano p. ex.), estatura fora dos limites comuns (muito alto ou muito baixo), calvície, obesidade ou aparência doentia, para citar alguns casos mais comuns, interferem na construção da imagem desejada.

Interferem porque atraem a atenção.

Antes de escutar o que o candidato tem a dizer, os olhos são capturados pela aparência, naquilo que ela tem de curioso, ridículo, chocante ou intrigante. É preciso então, superar essa primeira barreira que se apresenta, problema que o candidato de aparência comum não tem que enfrentar.

Há duas situações bem distintas que exigem uma clara diferenciação:

  • Problemas de aparência física que não podem ser alterados, como defeitos físicos;
  • Problemas de aparência física que podem ser bem resolvidos, como obesidade.

Com relação aos primeiros, deve-se lidar com eles com o máximo de naturalidade e discrição. Não se deve agir como se eles não existissem, porque existem; tampouco se deve forçar  os outros a tratá-los com absoluta naturalidade,desrespeitando seus possíveis sentimentos de pudor e até de desconforto; não é também de bom tom minimizá-lo, por meio de brincadeiras exageradas, que visam mostrar que o defeito não é  problema para você.

De outra parte, a postura inversa é também inadequada. Não é aceitável transformá-lo em motivo de compaixão e pena; como não se deve insistir que “apesar do problema…..”; menos ainda, pode-se evidenciar vergonha, frustração, infelicidade com o problema físico. As pessoas podem atribuir-lhe maiores virtudes, podem admirá-lo, por não se deixar abater e por carregar este ônus com alegria de viver, com ânimo e espírito de luta.

Este é um raciocínio delas, dos eleitores, que pode beneficiá-lo do ponto de vista político, mas jamais pode ser um argumento seu para conquistar apoios.

Você deve ser capaz de lidar com a situação, sem autopiedade, mas também sem exaltar seu defeito; não deve fingir que o ignora, mas também não deve alardeá-lo; deve respeitar o pudor alheio, sem assumir seu defeito físico como uma vergonha ou frustração; deve ser capaz de, eventualmente, fazer uma pilhéria oportuna e de bom gosto sobre ele, mas não deve nunca exagerar.

Em outras palavras: você é uma pessoa inteira, embora com um defeito físico, que não o impede de agir e ser como qualquer outro.

Você lida com o problema usando o bom senso, a classe, personalidade forte, auto-estima, valor, capacidade de luta, e todos os demais atributos vinculados à ação política.

Agindo assim, o problema é superado, e a imagem pode ser construída sem a interferência negativa dele.

Já o candidato que apresenta um problema físico que pode, sem maiores dificuldades ser corrigido, precisa encarar seu problema de maneira diferente.

O político tem a obrigação consigo mesmo de corrigí-lo, antes da campanha, e não há desculpas para não o fazê-lo.

É indispensável para a boa imagem, mas também é bom para a saúde e para a sua auto-estima.

Você não é obrigado a ser bonito (a) e charmoso (a) para se eleger, mas se for ajuda. Em qualquer hipótese, sua aparência física influi na opinião dos eleitores.

Há certas condições que são para efeitos práticos proibidas. Por exemplo, a obesidade do candidato prejudica e muito. As pessoas tendem a associar estar em forma com o sucesso, autocontrole, e estar de bem com a vida.

Inversamente, o candidato obeso é percebido como desleixado, indisciplinado, e com baixa auto-estima. Isto não significa que um candidato gordo não será eleito. Mas significa que terá mais dificuldades. Se você estiver muito acima do seu peso, trate de fazer regime antes da campanha.

Assim como a obesidade, há uma variedade de outros problemas de aparência física que estão ao seu alcance resolver com um pouco de esforço. Estes você deve dar solução. O eleitor sempre encara o candidato de forma crítica. Ou ele já é uma autoridade ou pretende ser, e o eleitor tem, consigo mesmo, uma idéia clara de como a imagem da autoridade deve ser.

O que é um problema de aparência física que pode ser resolvido? É simples. É qualquer aspecto de sua pessoa que chama a atenção negativamente aos outros, e que é percebido como um problema que tem solução, ao contrário daqueles outros que resultam de defeitos físicos, que não podem ser recuperados ou resolvidos.

É a partir esta dimensão, a aparência física, que o trabalho de construção da imagem do político começa. É sobre ela que os atributos desejáveis serão acrescentados.

Por Francisco Ferraz

Fonte: Política para Políticos

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here