Ex-senador Gim Argello e empresário são indiciados pela PF na Lava Jato

Empresário Ronan Maria Pinto é suspeito de receber R$ 6 milhões. Argello é suspeito de cobrar propina de empreiteiras; ambos estão presos.

A Polícia Federal (PF) indiciou o ex-senador Gim Argello por quatro atos de corrupção e o empresário Ronan Maria Pinto por lavagem de dinheiro em meio à investigação da Operação Lava Jato. A informação foi confirmada pela RPC e pelo G1 nesta terça-feira (3).

Ambos estavam preso na carceragem da PF, em Curitiba, e foram levados para o Complexo Médico-Penal, que fica em Pinhais, na Região Metropolitana da capital paranaense, nesta manhã.

O nome de Gim Argello apareceu nas delações do senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS), que está em prisão domiciliar, e do dono da UTC, Ricardo Pessoa. O ex-senador foi preso durante a 28ª fase da Lava Jato.

O Ministério Público Federal (MPF) diz que há evidências de que o ex-senador pediu R$ 5 milhões em propina para a empreiteira UTC Engenharia e R$ 350 mil para a OAS. As duas empresas são investigadas na Lava Jato.

Os recursos foram enviados a partidos indicados por Gim – DEM, PR, PMN e PRTB – na forma de doações de campanha.

Os investigadores dizem ainda que não há indícios de que os partidos beneficiados sabiam das negociações e da origem ilícita dos recursos.

As siglas, juntamente com o PTB, formaram em 2014 a coligação “União e Força”, pela qual Gim Argello era candidato a novo mandato de senador pelo DF.

O advogado que defende o ex-senador Gim Argello, Marcelo Luiz Ávila de Bessa, afirmou ao G1 que o indiciamento é um ato corriqueiro de qualquer delegado de polícia e que não tem nenhuma consequência processual. De acordo com Bessa, o ex-senador afirma ser inocente e irá se pronunciar em juízo.

Já Ronan Maria Pinto é de Santo André (SP). Ele é dono do jornal “Diário do Grande ABC” e de empresas do setor de transporte e coleta de lixo e alvo da 27ª fase da Operação Lava Jato. Em 2015, o empresário foi condenado por envolvimento num esquema de cobrança de propinas na prefeitura da cidade. A decisão não é definitiva.

Ronan Pinto é suspeito de ter recebido R$ 6 milhões do empréstimo realizado entre o pecuarista José Carlos Bumlai – também preso pela Lava Jato – e o Banco Schahin que acabou sendo fraudado.

De acordo com o Ministério Público Federal, o empréstimo foi pago por meio da contratação grupo Schahin como operadora do navio-sonda Vitória 10.000, pela Petrobras, em 2009, ao custo de US$ 1,6 bilhão.

Ainda conforme as investigações, em depoimento ao Ministério Público Federal, Marcos Valério, operador do mensalão, afirmou que parte do empréstimo obtido por Bumlai era destinado Ronan Maria Pinto, que estaria extorquindo dirigentes do PT.

Ele teria recebido o dinehiro para não publicar supostas informações que ligariam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os ex-ministros José Dirceu e Gilberto Carvalho à morte do ex-prefeito de Santo André, Celso Daniel (PT).

O advogado de Ronan Maria Pinto, Fernando José da Costa, nega as acusações e afirma que tem se pronunciado nos autos do inquérito. Ele destacou que pediu a revogação da prisão preventiva, “demonstrando que não há extorsão, muito menos lavagem”.

“Até porque as três supostas vitimas afirmam, além do suposto autor, de que nunca houve, por parte deste, qualquer prática de extorsão. A única versão que sustenta esta investigação é dada por Marcos Valério, em 2012, ou seja, quase dez anos após os fatos”, acrescentou o advogado.

Fonte: G1

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here