Meirelles adia para terça-feira anúncio de equipe

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, adiou o anúncio dos membros de sua equipe, segundo a assessoria da pasta. A divulgação estava prevista para esta segunda-feira, mas o novo ministro ainda não conseguiu fechar todos os cargos e preferiu adiar o anúncio para as 11 horas de terça-feira.

O único nome confirmado até agora por Meirelles é o de Tarcisio Godoy como secretário-executivo, mas o mercado já dá como certa a nomeação de Ilan Goldfajn para presidir o Banco Central. Carlos Hamilton, Marcos Mendes e Mansueto Almeida também devem integrar o time de Meirelles.

Na sexta-feira, além de anunciar o nome de Tarcisio Godoy, Meirelles afirmou em entrevista coletiva que o equilíbrio fiscal será prioridade de sua gestão. Para tanto, cogitou a hipótese de um imposto temporário. “Não há dúvida de que, caso seja necessário um tributo, ele será aplicado, mas será certamente temporário”, disse, respondendo a uma pergunta sobre as medidas econômicas já enviadas pela presidente afastada Dilma Rousseff ao Congresso, entre elas a que prevê a volta da CPMF.

Entrevista – Em entrevista ao programa Fantástico, da TV Globo, neste domingo, Meirelles voltou a dizer que há possibilidade de aumento de impostos, embora, segundo ele, se trabalhe para evitar esse recurso, e confirmou estudos para mudança nas regras da Previdência.

Ao tratar da questão da previdência, Meirelles disse que ela é uma parte importante do problema atual e que é preciso debater o tema com a opinião pública. Ao ser perguntado sobre quanto tempo mais será preciso trabalhar para se aposentar disse que “Começamos ontem [sexta-feira] a noite a fazer as contas.”

Diante do cenário de atividade fraca, Meirelles explicou que o ideal seria diminuir impostos, mas justificou que no momento o governo está arrecadando muito menos do que está gastando. “Pode ser até, eu não estou dizendo que isso vai acontecer, que tenha temporariamente um aumento de impostos”, considerou. Sobre a CPMF, o ministro negou que haja uma decisão sobre a proposta no Congresso que prevê a volta do chamado imposto do cheque.

(Com Reuters e Estadão Conteúdo)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here