Sucessão presidencial é antecipada na Câmara Legislativa

Diante da crise política, os distritais se articulam nos bastidores para a escolha da nova cúpula da Mesa Diretora. As discussões começam a quatro meses do pleito, que deverá ser definido com o desenrolar das investigações da Operação Drácon.

A crise política na Câmara Legislativa e a decisão judicial que afastou a cúpula da Casa anteciparam a disputa pela presidência da Casa. As eleições para a nova Mesa Diretora serão realizadas em 1º de janeiro de 2017, mas, nos bastidores, a sucessão está aberta. A presidente afastada, Celina Leão (PPS), sonhava com mais um mandato à frente do Legislativo local e trabalhava intensamente para aprovar a emenda da reeleição. Mas a Operação Drácon (leia Entenda o caso) sepultou os planos de Celina e deflagrou a corrida interna, quatro meses antes do pleito. Apesar da antecipação do debate, ainda há muitas dúvidas em torno da escolha dos parlamentares, e os desdobramentos das investigações serão primordiais para o desfecho da eleição.

Oficialmente, os distritais evitam falar sobre o assunto. A articulação mais forte ocorre hoje em torno do nome do deputado Agaciel Maia (PR), que deve contar com o apoio de Rodrigo Rollemberg. Dois aliados do governador não escondem as pretensões de disputar o cargo, o que pode gerar desconforto no Palácio do Buriti e na base. Joe Valle (PDT) e Israel Batista (PV) têm conversado sobre o tema, mas apenas um deles deve registrar a candidatura, pois ambos integram o mesmo bloco parlamentar.
Em 2014, a definição dos nomes para a Presidência, a Vice-Presidência e para as três secretarias da Mesa Diretora ocorreu sem consenso. Na última eleição, Joe Valle também postulou o cargo, mas o governador Rodrigo Rollemberg decidiu apoiar Celina Leão, que, até então, era filiada ao PDT e fora aliada durante a campanha. Sem o Buriti, Joe resolveu não entrar na disputa, e Celina saiu como candidata única. À época, os deputados do PT, PMDB, PP e PTB, que não conseguiram conquistar o direito de indicar alguém para vice, decidiram se retirar do plenário e não votaram.
Para a próxima eleição, os distritais não vislumbram a possibilidade de consenso novamente. Mas Agaciel Maia pode conseguir um feito: reunir aliados e oposicionistas do governo em torno de sua candidatura. Ele prefere não falar abertamente como postulante ao posto, mas assume que pode se lançar na corrida eleitoral da Câmara. “Com essa confusão toda, é preciso esperar um pouco mais”, desconversa Agaciel, fazendo menção às denúncias contra os colegas.
O parlamentar do PR, entretanto, tem discurso de candidato. “Tenho conversado com os colegas para analisar o quadro atual, mas posso dizer que não tenho essa ansiedade nem essa vaidade de ser presidente da Câmara. Já presidi a Comissão de Orçamento e Finanças, fui vice-presidente, acho que sou apto para o cargo, mas não é algo fundamental para mim”, diz Agaciel. “Se os deputados acharem que pode ser bom institucionalmente para a Casa, sinto-me preparado”, acrescenta.
Um fator que gera embaraço para o Palácio do Buriti é o fato de o deputado integrar o PR, partido do ex-governador José Roberto Arruda, que faz oposição ao GDF. Agaciel migrou para a legenda no início do ano, quando se abriu janela para trocas partidárias. Ele garante que negociou com o PR a garantia para ter independência no cenário local. O distrital escolheu o partido de olho nas eleições de 2018, pois o nanico PTC não terá tempo de televisão na campanha.
Pacificar
O deputado Chico Vigilante (PT) é um dos que declara voto abertamente a Agaciel Maia. “Precisamos verificar o que é melhor para a Câmara Legislativa neste momento. Acredito que, nessa situação difícil, o ideal é ter alguém com experiência e credibilidade, para pacificar os ânimos na Casa”, justifica Chico Vigilante.
O deputado Joe Valle, que no mês passado deixou o governo para retomar seu mandato na Câmara Legislativa, evita falar em candidatura, mas defende mudanças na gestão da Casa. “A Câmara Legislativa tem 24 candidatos à Presidência, todos os deputados se colocam. Eu sou um deles”, comenta. “Se fosse por um modelo de gestão diferenciado, adequado, e se fosse um processo acordado com os deputados, logicamente, colocaria meu nome à disposição. Mas não é assim que funciona na Casa”, explica.
Joe Valle defende maior integração do Legislativo local com a sociedade. “A cidade não tem relação direta com a Câmara, a não ser em votação pontuais, quando as galerias ficam cheias de gente. A Câmara deveria participar de campanhas importantes, como de combate às drogas e de paz no trânsito, por exemplo”, defende o distrital do PDT.
Reeleição

Em dezembro do ano passado, a deputada Celina Leão conseguiu aprovar, em primeiro turno, o projeto de emenda à Lei Orgânica que permite a reeleição para os cinco cargos da Mesa Diretora. A mudança nas regras da Casa ocorreu com 16 votos a favor, seis contra e duas abstenções. À época, Joe Valle e Agaciel Maia estavam entre os que fizeram oposição à emenda da reeleição. Desde o começo de 2016, Celina começou a articular a votação em segundo turno, e a análise do processo deveria ocorrer no fim deste ano.

Fonte: Correio Braziliense

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here