Quebra de braço

Por Sandro Gianelli

O clima entre a Câmara Legislativa e o Governo de Brasília continua conturbado. A mesa diretora emitiu uma nota rebatendo declarações do governo, que segundo a mesa, são informações equivocadas e deturpadas. O clima esquentou ainda mais, pois a mesa deixa claro que o não cumprimento dos compromissos do Executivo, que tem acarretado em atrasos para os fornecedores e categorias, é responsabilidade exclusiva do Governo.

Obstrução

A obstrução de votações na Câmara Legislativa, que já dura quase um mês, é o motivo da quebra de braço. A pauta foi bloqueada até que o governo resolva o impasse salarial da Polícia Civil. O maior defensor da categoria é o deputado distrital Wellington Luiz (PMDB). O Executivo culpa a obstrução por não conseguir honrar compromissos que dependem de votação na Casa.

Legitimidade

O processo de obstrução de votações é uma ferramenta legitima. Seu objetivo é exatamente forçar uma busca de soluções e diálogo. Em nota, a CLDF relembra que tem procurado de todas as formas intermediar o diálogo entre o Governo de Brasília e várias categorias que não foram contempladas no cumprimento de compromissos assumidos pelo Executivo.

Responsabilidades trocadas

A nova mesa diretora da Câmara afirma que, a incapacidade ou dificuldade de dialogar do Executivo é que tem levado várias categorias a paralisações e não o Processo Legislativo e culpa a desorganização administrativa que tem levado o GDF a problemas de caixa e não aceita qualquer tentativa de atribuir ao legislativo local, falhas, incongruências e desvios que são do próprio Executivo.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorContra a lista fechada
Próximo artigoColuna Entorno | Obra iniciada
Consultor em Marketing Político; especialista em pesquisa de opinião pública; autor do Blog do Sandro Gianelli; escreve a coluna On´s e Off´s, de segunda a sexta, no Jornal Alô Brasília; apresenta o programa Conectado ao Poder, aos sábados, das 12h às 14h, na Rádio OK FM. É presidente da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here