Tema da semana

Comissão especial da Reforma Política na Câmara dos Deputados

Enquanto em nível nacional a Câmara dos Deputados bateu cabeça para votar a reforma eleitoral, aqui no Distrito Federal o tema que tomou de conta dos noticiários e das rodas de conversa foi a possibilidade de que os servidores públicos tivessem seus salários parcelados.

Parcelamento dos salários

O Governo de Brasília bem que tentou evitar, mas no final das contas teve que anunciar a necessidade de parcelar o salário dos servidores que ganham acima de 7.500 reais. A justificativa é a mesma desde o início do governo: a falta de recursos no caixa para honrar as dívidas.

Cenários piores

Protesto de servidores no estado do Rio de Janeiro

Para o cientista político Valdir Pucci, temos que avaliar bem os fatos. O primeiro é se há dinheiro em caixa? Não é segredo para ninguém que o país e o DF passam por uma crise fiscal sem precedentes. Há governos totalmente insolventes e que não apenas parcelam parte dos vencimentos dos servidores, mas que deixam simplesmente de pagá-los.

Justificável

Valdir entende que não é possível negar que Brasília passa por esse problema e deve buscar soluções. Deixar de pagar integralmente uma parcela dos servidores, justamente os que têm maior rendimentos, garante o pagamento dos demais de forma integral. Se olharmos por esse lado, a saída do governo é “entendível”.

Sacrifícios a sociedade

Valdir destaca que o mais importante é saber o que o governo fez para mudar essa situação de penúria fiscal? Pucci avalia que “pelo que nos foi mostrado até o momento, muito pouco. O GDF não fez sua parte e o DF continua gastando muito e errado. O governador não pode pedir sacrifícios a sociedade ou parte dela se ele não faz a sua parte”.

Cortes no orçamento

Pucci avalia que não houve grandes cortes feitos no orçamento pelo GDF. Ou até mesmo pela Câmara Legislativa. Para ele a CLDF deveria se preocupar em, juntamente com o governador, buscar soluções para o problema. E avalia que gastos desnecessários continuam aumentando.

Mal necessário

“Não falo em cortes na saúde, educação ou segurança, mas sim em privilégios perpétuos que existem no governo. Vejo o parcelamento como, infelizmente, um mal necessário para garantir a solvência do governo, mas gostaria muito de ver ações concretas que diminuíssem o Custo-DF”, finaliza o cientista político Valdir Pucci.

Compartilhamento

Nessa quarta-feira (23) o governador Rodrigo Rollemberg apresentou um projeto que se aprovado pela Câmara Legislativa fará com que os salários não sejam parcelados. Se os parlamentares não aprovarem, a conta do parcelamento será dividida entre o GDF e a Câmara.

Por Sandro Gianelli / Coluna On’s e Off’s / Jornal Alô Brasília

COMPARTILHAR
Artigo anteriorNa bronca
Próximo artigoRenovação partidária?
Consultor em Marketing Político; especialista em pesquisa de opinião pública; autor do Blog do Sandro Gianelli; escreve a coluna On´s e Off´s, de segunda a sexta, no Jornal Alô Brasília; apresenta o programa Conectado ao Poder, aos sábados, das 12h às 14h, na Rádio OK FM. É presidente da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here