Reforma política tem artigo redigido sob medida para favorecer o Facebook

A versão da reforma política apresentada na última 4ª feira (23.ago.a2017) pelo deputado Vicente Cândido (PT-SP) tem 1 artigo redigido sob medida para favorecer a maior rede social do planeta, o Facebook.

O artigo estipula que partidos e candidatos poderão fazer propaganda eleitoral apenas se pagarem para impulsionar publicações em redes sociais. O Facebook é a rede social que mais se beneficia com esse tipo de publicidade.

A versão anterior da reforma política, de julho, autorizava a compra de espaço publicitário em qualquer tipo de site ou portal para veicular propaganda on-line.

Essa permissão agora sumiu do texto.

No trecho agora suprimido havia também uma limitação do valor que candidatos poderiam usar para comprar espaço de publicidade digital: R$ 2 milhões. Agora, esse limite também desapareceu. Ou seja, candidatos e partidos poderão gastar quanto bem entenderem em redes sociais.

A prevalecer essa regra em 2018, candidatos e partidos não terão limite de valor para investir em propaganda em redes sociais.

O Facebook é, de longe, a rede social que mais fatura com publicidade. Uma estatística é a propaganda estatal federal brasileira. No ano passado (2016), todos os órgãos públicos federais gastaram R$ 67 milhões com publicidade online. O Facebook ficou sozinho com R$ 48 milhões, segundo revelou o Poder360.

A forma mais tradicional de publicidade oferecida pela empresa do norte-americano Mark Zuckerberg é o chamado “impulsionamento de posts”. Nessa modalidade de propaganda, a pessoa ou empresa faz 1 post em seu perfil no Facebook e a rede social se compromete a mostrar o texto ou foto para um número determinado de pessoas. Isso é possível por meio do algoritmo usado.

O Facebook pode, por meio do seu algoritmo, definir qual é o post que aparece no topo da timeline de cada 1 de seus usuários. Dessa forma, pode forçar que 1 post seja mais ou menos visto do que os demais.

Se aprovada como está, a regra ajudará as empresas de redes sociais em detrimento de sites e portais. Os candidatos e os partidos também ficarão mais dependentes da rede de Mark Zuckerberg.

Tome-se como exemplo 1 candidato a deputado estadual ou federal no interior do país. A chance de esse político aparecer na propaganda eleitoral de seu partido na TV ou no rádio é mínima. Sua possibilidade maior seria a de promover suas ideias na internet.

Ocorre que fazer 1 website ou blog dá pouca visibilidade a uma candidatura. Uma opção para esse candidato no interior do país seria comprar um espaço publicitário num site local e mostrar aos eleitores quais são suas ideias. Pela regra proposta no relatório do deputado Vicente Cândido isso não será possível.

A única possibilidade de publicidade online para o candidato a cargo público no interior do país será gastar dinheiro com redes sociais. E, nesse caso, o maior beneficiário será o Facebook, a rede social de maior abrangência no Brasil e no planeta.

Fonte: Poder 360

COMPARTILHAR
Artigo anteriorFotos de reuniões só satisfazem o político e não ao eleitor
Próximo artigoColuna Entorno | Recadastramento biométrico

Consultor em Marketing Político; especialista em pesquisa de opinião pública; autor do Blog do Sandro Gianelli; escreve a coluna On´s e Off´s, de segunda a sexta, no Jornal Alô Brasília; apresenta o programa Conectado ao Poder, aos sábados, das 12h às 14h, na Rádio OK FM. É presidente da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here