Especialista diz que Bolsonaro pode até tentar presidência, mas não ganharia “de jeito nenhum”

Falta um ano para as eleições presidenciais em 2018 e o cenário está repleto de nomes e de incertezas. Isso porque alguns dos pré-candidatos, como o ex-presidente Lula (PT) e o atual ocupante do cargo, Michel Temer (PMDB), estão enrolados na Operação Lava Jato e outros, como o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) e o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) ainda não sabem se irão conseguir se viabilizar.

Para avaliar como deve ser a disputa em 2018, o Jornal Opção ouviu o especialista em marketing político Bruno Netto, para quem o pleito pode trazer surpresas. Entre elas, entretanto, não estará Bolsonaro que, na sua opinião, pode nem chegar a concorrer. “Não sei se ele vai arriscar ser candidato, não sei se ele vai topar ficar sem mandato”, avaliou ele.

“Pode ser que ele coloque um de seus filhos para ocupar seu espaço na Câmara, mas ganhar, de jeito nenhum”, garantiu o especialista. Bolsonaro, compara ele, seria como o deputado federal delegado Waldir (PR), que apesar da votação recorde para deputado federal, não conseguiu se eleger prefeito de Goiânia em 2016. “Na hora em que começar a falar na televisão, perde força. Se Bolsonaro fizer 5% seria uma vitória para ele e uma derrota para a nossa sociedade.”

Dos nomes mais comentados nacionalmente, na opinião de Bruno, apenas Alckmin estará de fato na disputa. Isso porque, para ele, o provável candidato do Partido dos Trabalhadores – a depender da situação de Lula – será, na verdade, o ex-governador da Bahia Jaques Wagner.

“O projeto do PT já é o Wagner desde que a Dilma foi candidata pela primeira vez. Ele tem proximidade com o povo nordestino, tem uma articulação grande. Na Bahia, está perdendo para o ACM Netto (atual prefeito de Salvador) pelo momento político, mas já foi testado duas vezes”, ressaltou ele.

Para Bruno, mesmo que o PT esteja com a imagem abalada, Lula ainda tem muita força com o eleitorado. “Apesar de entender que o PT como estrutura nacional não está conseguindo converter muito, o que está posto hoje é que o candidato apoiado pelo Lula vai ter votos suficientes para passar para o segundo turno”, explicou. Assim, PT e PSDB devem protagonizar a disputa como nos últimos pleitos.

Segundas vias, como Fernando Haddad (PT) e João Doria (PSDB), respectivamente ex e atual prefeitos de São Paulo, não devem ser candidatos. “Haddad acabou de perder uma eleição e o Dória não vai passar por cima do Alckmin, não tem nem gente para isso. Quem viabilizou na disputa em São Paulo foi o Alckmin e ele sabe disso”, pontuou o especialista. Na sua opinião, a única chance de Dória seria se o governador de São Paulo passasse por alguma grande dificuldade envolvendo operações como a Lava Jato.

Fora da disputa entre PT e PSDB, Bruno aposta que a ex-ministra Marina Silva (Rede) deve tentar mais uma vez, que o DEM deve lançar candidato e disse que Ciro e Bolsonaro podem ter alguma representatividade, mas não ganhariam a briga, principalmente por falta de apoio.

“Governadores e prefeitos é que fazem a eleição. Ninguém consegue ser mais forte que o PMDB nesse ponto aliás”, disse. “Sobre a Marina, ela tem uma representatividade forte no cenário nacional, mas acho que não consegue ampliar a base de apoio. Ela deve aproveitar a força da internet, mas acho não consegue rivalizar a ponto de ir para o segundo turno.”

Outra figura de destaque para ele é o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD). “Eu o vejo como um personagem que pode alterar o cenário todo. Vai abrir uma janela aí e o passe dele vai ser muito valorizado, então ele pode disputar pelo PSD ou até pelo PMDB”, opinou. A leve melhora na economia pesa muito na popularidade de Meirelles: “Ele pode ser alçado como um Fernando Henrique Cardoso.”

Temer, por outro lado, deve ficar realmente de fora, principalmente pela alta desaprovação popular. “Ele está batendo todos os recordes de impopularidade, então não deve conseguir se lançar”, considera. Uma alternativa do partido seria indicar o vice do PSDB, mas isso ainda vai depender do andamento das conversas, especialmente porque parte dos tucanos rechaça a aliança com o PMDB.

Fonte: Jornal Opção

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here