On´s e Off´s | Abadia afirma que Izalci não tem habilidade para fazer política e teme os rumos do PSDB

Por Sandro Gianelli

Sabatina ABBP

A ex-governadora Maria de Lourdes Abadia (PSDB) participou da 23ª edição do Projeto Sabatina ABBP, nessa segunda-feira (9/10), na Sala de Reuniões da Associação Comercial do Distrito Federal (ACDF). O encontro é realizado em parceria com a ACDF e tem o formato de uma coletiva de imprensa com membros da Associação de Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno (ABBP).

De Ceilândia

A ex-governadora que também foi deputada constituinte gosta de ser chamada de Maria de Lourdes de Ceilândia. “Gosto de ser chamada assim, me emociono”.

Insegurança

Ela lembrou que no início de Ceilândia tínhamos cachaça e peixeira, hoje temos drogas e armamento pesado.

Acaso

Minha vida política foi toda por acaso. Tudo aconteceu pelas mãos de Deus. Saí recém-formada da UNB e fui trabalhar no morro do urubu para remover as famílias para Ceilândia, decidiram criar a administração de Ceilândia e me pediram para ficar como administradora por um tempo, esse tempo durou 10 anos, dali fui convidada para me filiar ao PFL e acabei sendo deputada constituinte.

Eleições 2006

Nas eleições de 2006 a composição inicial seria com o Arruda ao governo, Paulo Octavio vice-governador, Roriz ao senado, Filippelli deputado federal e eu ficaria até o final do governo, sem concorrer a nenhum cargo e o Arruda me indicaria para o TCDF.

Candidatura Fake

Eu, Roriz e Filippelli estávamos nos Estados Unidos em busca de recursos para o DF. Durante um jantar fomos fotografados fazendo um brinde. A notícia que chegou no DF foi que Roriz havia lançado minha candidatura com o Filippelli de vice.

Racha

A notícia fez com que o Arruda e o Paulo Octavio lançassem a candidatura deles e o grupo rachou.

Traição

Me senti traída na eleição de 2006. Muitas pessoas, do nosso governo, apoiaram a candidatura do Arruda com o Paulo Octavio. Arruda pode ter colocado a faca no pescoço do Roriz em troca desse apoio.

Sem casamento

Política é um negócio complicado. O ex governador de São Paulo, Mário Covas, dizia que “política não é para casar”. Para se ter uma ideia eu e o Roriz fomos adversários políticos e depois virei vice-governadora dele. Fui governadora do DF graças a essa composição.

Governo

Abadia afirmou que sentar na cadeira de governador não é fácil. A demanda é sempre maior do que o que se pode fazer pela população.

Sem lideranças

Me sinto decepcionada com o momento político atual. Hoje a política é decidida mais na justiça do que entre os políticos. O país está carente de lideranças. Todos os governadores aparecem com alta rejeição nas pesquisas.

Vice de novo

O governador Rollemberg pediu para tirar uma foto comigo num evento. Numa brincadeira ele disse para enviar a foto para o Izalci e dizer que agora só faltava ele no governo. Porém, nunca houve essa conversa ou um acordo, simplesmente nada. Não passou de uma brincadeira.

Artimanha

Izalci utilizou essa foto como argumento contra o nosso grupo que é formado por mim, o Márcio Machado, o Virgílio Neto, o deputado distrital Robério Negreiros, entre outros filiados. O Izalci pariu minha vice com o Rollemberg.

Mentira

É mentira do Izalci. Quero que ele diga em qual circunstância alguém conversou com o Rollemberg em relação a esta composição entre o PSB e o PSDB. Ela acredita que a executiva nacional convocará os dois grupos para conversar e pôr um fim ao racha.

Chantagem

Izalci usa seu voto como deputado federal para manter a presidência do PSDB no DF. Acredito que ele tenha ido na Executiva Nacional e dito que se não garantissem a presidência para ele, ele sairia do partido. O voto dele na Câmara Federal tem muito peso para as articulações do partido.

Proclamação

Fomos surpreendidos pela proclamação do Izalci, tanto em relação a pré-candidatura ao GDF, quanto a reeleição na presidência do partido. Izalci nunca procurou nosso grupo para uma construção. Todas as decisões aconteceram sem uma articulação interna.

Isolado

Não acredito em candidaturas isoladas. Ele não pode ser candidato de si próprio. É necessário discutir com o partido. Ele precisa entender que é preciso ser o nosso candidato.

Fidelidade

Questionada sobre a possibilidade de trocar de partido, Abadia disse que não pensa em sair do partido. “Sou partidária, sou tombada no PSDB e vou morrer tucana”.

Quero eleição

Abadia afirmou que não quer seu nome na composição da nova executiva sem que haja uma eleição. A executiva nacional formou uma composição e incluiu o nome de Abadia sem conversar com ela. Abadia disse que seu grupo quer eleições das zonais e da executiva.

Prévias no PSDB

Ninguém no PSDB quer uma disputa interna para concorrer ao GDF contra o Izalci. Izalci não é nosso adversário, ele nos elegeu como adversários. Não impomos nada. Nosso grupo sempre defendeu a unidade do partido. Nossa luta é para que o PSDB se fortaleça para as eleições de 2018.

* A Coluna é escrita por Sandro Gianelli e publicada de segunda a sexta no Blog do Sandro Gianelli, no Jornal Alô Brasília e no Portal Alô Brasília.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorOAB-DF deve influenciar o resultado das eleições de 2018
Próximo artigoReforma política: no que é preciso prestar atenção em 2018

Consultor em Marketing Político; especialista em pesquisa de opinião pública; autor do Blog do Sandro Gianelli; escreve a coluna On´s e Off´s, de segunda a sexta, no Jornal Alô Brasília; apresenta o programa Conectado ao Poder, aos sábados, das 12h às 14h, na Rádio OK FM. É presidente da Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here