On´s e Off´s | Apesar do caos na saúde o GDF não conseguiu gastar os recursos para a pasta, o MP quer esclarecimentos

Por Sandro Gianelli

Mandou mal

Apesar do caos que a saúde pública tem passado, a secretaria de saúde não conseguiu gastar todo o recurso recebido pelo SUS, o montante é da ordem de 320 milhões de reais. O Ministério Público quer que o GDF explique porque não usou os recursos em sua totalidade. O detalhe é que o dinheiro estava no caixa, na conta do Fundo de Saúde do DF.

Vai e volta

Os senadores querem acabar com o vai e volta de parlamentares do Congresso Nacional para o Executivo e vice versa. O projeto que tramita no senado pretende estabelecer uma quarentena para parlamentares que deixarem ministérios para votar projetos do governo.

Foto: Lucio Bernardo Jr./ Câmara dos Deputados

Tá no lucro

A Proposta de Emenda à Constituição estabelece um prazo de 120 dias para que um parlamentar reassuma o cargo de ministro após voltar ao Congresso Nacional para votações importantes. A turma pode até reclamar, mas em países como os Estados Unidos, se um parlamentar quiser assumir um cargo no executivo, ele tem que renunciar ao mandato legislativo.

Reprovados

Pesquisa Datafolha realizada nos dias 29 e 30 de novembro mostra que 60% dos brasileiros consideram ruim ou péssimo o desempenho dos Congressistas. Os 513 deputados federais e os 81 senadores foram o foco da pesquisa, porém o resultado mostra o quanto o eleitor esta descontente com a classe política.

Dois pesos

Enquanto a Secretaria de Segurança Pública do DF divulga balanço da criminalidade com a diminuição de roubos, a população carcerária cresce e o DF passa a ser o sétimo

estado no ranking nacional de superlotação. Para se ter uma ideia são 15.814 presos para 7.395 vagas.

Saidão

Os presos deverão ter menos regalias em breve. A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado aprovou a redução no número e na duração das saídas temporárias de presos, popularmente conhecidas como “saidão”.

Apertou

O projeto de lei da Câmara (PLC 146/2017), segue para análise do Plenário do Senado e se aprovado diminuirá de sete dias de saída temporária, até cinco vezes ao ano, para quatro dias, podendo ser renovada apenas uma vez ao ano. Para ter direito ao benefício o preso precisava ter cumprido 25% da pena, com a aprovação a exigência passará para 50%.

Mais caro

Projeto de lei que cobra imposto de streamings como Netflix e Spotify, apresentado pelo Executivo, foi aprovado na Câmara Legislativa do DF. O projeto aumenta os gastos da população e aumenta a arrecadação do governo. Nem a internet tem sido perdoada.

Fora da disputa

O ex-governador Agnelo Queiroz (PT) continua inelegível por oito anos. A decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) foi unanime. A acusação é de abuso de poder político e conduta vedada enquanto ocupava o cargo entre 2011 e 2015.

Proibido

A acusação é de uso do espaço institucional do governo para fazer propaganda exaltando o seu mandato, o que é proibido expressamente pela Lei das Eleições e pela Lei de Inelegibilidades. O TSE manteve a multa no valor de R$106 mil.

Liberado

O ex-vice governador, Tadeu Filipelli (PMDB), não foi considerado inelegível porque foi afastada a acusação de abuso por parte dele. Porém não foi liberado de pagar a multa, no mesmo valor. A Justiça detectou a veiculação de 461 notícias nos canais de comunicação do governo nos três meses que antecederam as eleições.

* A Coluna é escrita por Sandro Gianelli e publicada de segunda a sexta no Blog do Sandro Gianelli, no Jornal Alô Brasília e no Portal Alô Brasília.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here