Escolha uma Página

O deputado distrital Juarezão (PSB) foi notícia no site da Revista Época, graças ao seu Projeto de Lei, que foi aprovado e sancionado no Distrito Federal. A Lei restringe a entrada de propagandistas nas unidades públicas de saúde. No caso são profissionais contratados pelas indústrias e laboratórios farmacêuticos para fazerem o marketing de seus produtos para os médicos que estão em atendimento, inclusive com amostras grátis, afim de que os médicos receitem a sua marca aos pacientes.

Para o deputado, esta é uma prática que gera certo conflito de interesses já que o médico deve receitar o que manda a medicina e não apenas um remédio que o propagandista recomenda. “Além disso, enquanto os médicos atendem os propagandistas, a população fica do lado de fora esperando por atendimento. Isso é um absurdo. A saúde do nosso país, como um todo, vive uma situação delicada, e cada minuto perdido pode custar a vida de algum paciente na fila de espera”, defendeu.

Juarezão é conhecedor da realidade da saúde, já que o mesmo é servidor da área e viveu por vários anos situações como estas. “Eu trabalho de acordo com a minha própria consciência, e além do mais, a comunidade pediu, pois estas ações dos propagandistas atrapalham muito o desenvolvimento dos profissionais da medicina, que deixam de atender os pacientes para ouvir propaganda sobre remédios”, concluiu o deputado.

Segundo a Revista Época, que integra as Organizações Globo, a medida de Juarezão mirou atender o apelo popular, mas agora se criou um debate nebuloso: “como os médicos escolhem receitar um medicamento em vez de outro. Parece uma questão técnica, mas sofre influências variadas – até do grau de simpatia do médico pelo representante”.

No Distrito Federal a prática foi proibida, agora resta saber se os outros estados adotarão a mesma medida. Em algumas cidades, a indústria farmacêutica, que tem grande influência na sociedade inclusive no meio político conseguiu manter que seus propagandistas continuem atuando nas unidades hospitalares da capital. Em Goiânia (GO), por exemplo, houve projeto semelhante que tentou ser implantado, porém devido ao lobby da indústria não houve êxito.