Escolha uma Página

Por Sandro Gianelli

Com o aumento de pessoas com acesso a internet e a popularização das mídias sociais, a tendência é que a web influencie cada vez mais as eleições. A relevância da internet nas eleições de 2018 é tamanha, que até a legislação foi alterada para seu uso no processo eleitoral.

A partir desta eleição será permitido o impulsionamento de conteúdo nas mídias sociais. Os candidatos poderão pagar para que Facebook e Instagram aumentem a visibilidade e o alcance de suas publicações.

Os candidatos também poderão pagar para buscadores, como o Google, para terem seu nome aparecendo entre os primeiros resultados nas pesquisas orgânicas.

Não será permitida a publicidade online no dia da eleição, tanto nas mídias sociais, quanto nos buscadores. Os gastos na internet devem ser declarados na Justiça Eleitoral, os limites variam dependendo do cargo disputado.

A utilização de perfis e páginas falsas (Fake News), assim como o uso de robôs estão proibidos. Não é permitido impulsionar propaganda ou anúncio visando denegrir a imagem dos candidatos.

Na TV e no rádio é comum que os candidatos tenham direito de resposta. A regra passa a valer também para a internet. Cuidado ao citar um adversário, se ele ganhar o direito de resposta, você terá que dar o mesmo impulsionamento utilizado contra ele.

Outra alteração é que, a partir do dia 15 de maio, estará permitido a arrecadação de dinheiro para as campanhas pelos pré-candidatos. É o crowdfunding ou vaquinha virtual. A nova pratica tende a beneficiar partidos e candidatos que possuam militância ou a defesa de uma causa que engaje as doações.

O crowdfunding é financiado por meio de doações de pessoas físicas. Existem várias opções de doação como cartão de crédito, cheque, boleto ou transferência bancária. E caso o pré-candidato desista da disputa, os recursos arrecadados serão devolvidos. Em resumo, os recursos só poderão ser utilizados após o registro da candidatura.

A ideia da nova regulamentação é transformar a disputa eleitoral em algo mais transparente, correto e acessível a todos os candidatos.

 

Sandro Gianelli – Jornalista, radialista e consultor político com experiência em marketing político, eleitoral, digital e pesquisa de opinião pública.